19 de setembro de 2017

In Turkey’s New Curriculum, Ataturk, Darwin and Jihad Get Face-Lifts

The New York Times, 

When high school students in Turkey arrive for the fall term, Charles Darwin will be conspicuously absent from biology classes.
In elementary school religion classes, teachers will promote the nonviolent meaning of the word jihad — “to struggle” — as “love of homeland.”
And, perhaps most significantly in a country where the image of Mustafa Kemal Ataturk, who created the modern secular Turkish state in 1923, is plastered everywhere, references in schools to Ataturk are expected to be downgraded.
In a majority Muslim country that has long been polarized between the religious majority and a minority of secular elites, critics said the overhaul of more than 170 curriculum topics by the government of President Recep Tayyip Erdogan represented a frontal assault on the country’s already fragile tradition of secularism.
The changes come at a tense time for relations between Turkey and its Western allies following Mr. Erdogan’s crackdown on his opponents in the aftermath of last year’s failed military coup, which the new curriculum lauds as “a legendary, heroic story.”
Continue reading the main story
“This is no less than a revolution to alter public education and assure that a conservative, religious view of the world prevails,” said Soner Cagaptay, director of the Turkish Research Program at the Washington Institute for Near East Policy and author of “The New Sultan: Erdogan and the Crisis of Modern Turkey.”
“The reason Turkey is not Pakistan is that generations have been exposed to a secular public education,” Mr. Cagaptay said. “But for Erdogan, who comes from the other side of the tracks and feels religion was marginalized for decades, this is his revenge.”
Politicians across the political spectrum criticized the changes. When they were first highlighted this summer, a leading teachers union called them an effort to stymie the raising of “generations who ask questions.”
Turkey’s education system, which has long provided a secular education to religious and secular students alike, has come under scrutiny by the government following the attempted coup on July 15, 2016, culminating in the firing of more than 33,000 teachers and the closing of scores of schools. At the same time, the ruling Islamic-inspired Justice and Development Party has significantly increased the number of religious schools, known as imam hatip schools, and promoted Mr. Erdogan’s professed goal of raising a “pious generation” of Turks.
Following the new changes, evolutionary concepts like natural selection will be removed from the high school curriculum, along with any mention of Darwin, the English naturalist whose theory has become a mainstay of biology classes around the world.
The education minister, Ismet Yilmaz, has praised the overhaul of the country’s curriculum as a necessary corrective that emphasizes a values-based education. Evolutionary biology, he had insisted, is too difficult for high schoolers to grasp and will be taught instead at the university level.
Moreover, Mr. Erdogan’s supporters note that debates over the teaching of evolution are hardly unique to Turkey, and have raged in other countries, including the United States. The theory of evolution is rejected by both Christian and Muslim creationists alike, who credit God with creating the planet and its creatures. Many religious conservatives in Turkey dismiss evolution as a reckless and unproven theory.
Evolution aside, the new curriculum has deeply angered secularists who say it underplays Ataturk’s contribution to modern Turkey. At the primary school level, classes are expected to truncate the teaching of his leadership role during, among other events, Turkey’s war of independence, out of which the modern Turkish republic was created in 1923 from the ashes of the Ottoman Empire.
The curriculum is also notable for whom it includes among Turkey’s enemies, including the Kurdish Workers’ Party, or PKK, long branded a terrorist group by Turkey and the United States; the Islamic State; and Fethullah Gulen, an influential United States-based cleric whose supporters run a global network of schools which provide a secular education. Mr. Erdogan blamed Mr. Gulen for last year’s attempted coup.
Mr. Yilmaz said in a recent news conference that it was essential to educate the new generation of Turks about the perils of Mr. Gulen’s movement.
Among the curriculum’s changes, the notion of jihad has garnered particular attention. Defenders of teaching jihad as a love of homeland argue that it is a spiritual concept that has been erroneously co-opted by extremists and wrongly associated with terrorism, and that progressive Muslim groups have been using more peaceful interpretations of the concept for centuries.
But Mr. Cagaptay rejected that view, saying that while “jihad” had multiple meanings in Arabic, in the Turkish language it translated to violent and political struggle. Rebranding “jihad” in Turkey, he argued, was perilous given its connotation in a surrounding region where it was being used for violent ends. “Turkey’s neighbors are not Luxembourg or Belgium but the Islamic State and Al Qaeda, so it is risky to promote jihad because of the region Turkey is in and the rising jihadist recruitment trend globally.”
While critics have challenged the latest changes to the curriculum, a report last year by Impact-se, a Jerusalem-based research institute that analyzed 117 school text books in Turkey, concluded that the curriculum taught human rights, and was open to Darwin, gender equality, the protection of the environment, compassion toward AIDS patients and openness toward various lifestyles. “Turkish school students are currently taught to value Western civilization,” the report said.
But Hay Eytan Cohen Yanarocak, the author of the report, said the new changes showed, “Turkey is changing its direction and is no longer, by default, a Western state.”
Education is just the latest area where the simmering culture war between Islam and secularism in Turkey has been laid bare.
When Mr. Erdogan came to power in 2002, he vowed to improve the status of the religious majority of Turkey, who had been suppressed by the ruling secular elite, and the prohibition of head scarves at universities was lifted in 2011. That was extended to state offices in 2013, and this year, the scrapping of the ban was extended to the army, long seen as the final safeguard of the country’s vaunted secularism.

El cuarto sector: ¿otra economía posible?, REBECA GRYNSPAN MAYUFIS

15 SEP 2017 , El País

Producir con sostenibilidad ambiental y para el bienestar social. Preferir una marca por el comportamiento ético de la empresa y no solo por las características del producto. No es ciencia ficción, sino una tendencia que está ganando impulso. Me refiero al cuarto sector, el cruce entre los valores, el consumo y la producción, en la economía que demandan los millennials.
En torno a un 70% de esta generación aceptaría un salario más bajo a cambio de trabajar por una buena causa, mientras que la abrumadora mayoría estarían dispuestos a pagar más por un producto responsable. Es cierto que tienen la mirada fija en la pantalla del móvil y dedican varias horas de su día a las redes sociales. Pero también quieren frenar el cambio climático, construir sociedades más inclusivas, mitigar la creciente desigualdad, y vivir de acuerdo a una ética que no esté reñida con las ganancias.
De estos nuevos valores y expectativas ha surgido un poderoso movimiento que en muchos países supone ya el 10% del producto interior bruto (PIB) y que emplea a una proporción considerable de sus trabajadores. Los emprendedores jóvenes han sido los principales impulsores de este cambio. Cada año se crean millones de empresas sociales en el mundo, bajo diversas formas, como iniciativas ciudadanas, empresas B, cooperativas, mutualidades, sociedades laborales, o la banca ética.
Lo que une a estas entidades es que, aunque buscan la autosuficiencia financiera y funcionan bajo una lógica empresarial, su objetivo no es únicamente lucrar. Su objetivo es resolver los grandes problemas del siglo XXI, combinando elementos de los tres sectores tradicionales: el público, el privado y el no gubernamental.
Muchas de las empresas actuales ya reconocen la necesidad de desarrollar modelos de negocios más integrales
Iberoamérica se encuentra especialmente posicionada para aprovechar el inmenso potencial que encierra el cuarto sector: una región joven, audaz, creativa y de naturaleza emprendedora. Bien desarrolladas, las empresas del cuarto sector nos ayudarán a solucionar los principales desafíos de nuestra era, permitiéndonos cumplir los Objetivos de Desarrollo Sostenible, que todos los países del mundo se han comprometido a alcanzar para el año 2030.
La Secretaría General Iberoamericana ha decidido colocarse en la vanguardia de esta tendencia, siguiendo los mandatos de la pasada XXV Cumbre Iberoamericana de Jefes de Estado y de Gobierno. Los 22 países de la región reconocen el papel central del emprendimiento para el crecimiento económico, y también para la transformación de los sectores productivos y la creación de sociedades más incluyentes.
Por ello, en los próximos días lanzaremos en la ciudad de Nueva York un ambicioso proyecto que busca impulsar el desarrollo de este llamado cuarto sector en Iberoamérica, en colaboración con el Foro Económico Mundial y otros actores internacionales. Queremos que la ciudadanía conozca las oportunidades que ofrecen las empresas del cuarto sector y ayudar a los distintos gobiernos a generar un ecosistema propicio para su crecimiento, con un marco regulatorio e instrumentos financieros adecuados. El propósito es abrir un espacio adicional para el emprendimiento, un espacio que permita sacar el mayor provecho del talento disponible en la sociedad.
Muchas de las empresas actuales ya reconocen la necesidad de desarrollar modelos de negocios más integrales. Se estima que, para el año 2030, tres cuartas partes de las 500 mayores empresas del mundo habrán desaparecido o habrán sido sustituidas por otras. Las empresas que sobrevivirán serán las que logren alinear sus intereses económicos con los valores de la sociedad. Iberoamérica tiene la oportunidad de liderar esta marcha colectiva hacia una economía global renovada. Una economía más social, más justa y más sostenible. Nuestra juventud lo demanda, pero sobre todo lo merece.

REBECA GRYNSPAN ES LA RESPONSABLE DE LA SECRETARIA GENERAL IBEROAMERICANA

Universidades sob lupa


EDITORIAL

Adriano Vizoni/Folhapress
RIO DE JANEIRO - RJ - BRASIL, 16-08-2017, 16h00: ESPECIAL RUF 2017. Predio que pegou fogo no campus da UFRJ na Cidade Universitaria. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress, ESPECIAIS) ***EXCLUSIVO FSP***
Prédio da UFRJ, eleita a melhor universidade do país
A sexta edição do Ranking Universitário Folha (RUF), publicada nesta segunda-feira (18), registra a inversão de posições entre universidades estaduais paulistas, com a Unicamp ultrapassando a USP para ocupar o segundo lugar.
A UFRJ mantém-se na liderança. Isso também poderá suscitar alguma surpresa, em vista da crise de financiamento que ronda as instituições federais.
Dado que a maior parte das verbas do ensino superior se destina ao pagamento de salários de professores e funcionários —a maioria com estabilidade no emprego—, a margem possível para cortes de despesa se dá no custeio e nos investimentos das instituições.
O Orçamento da União destina neste ano R$ 33,7 bilhões ao setor, dos quais R$ 21,2 bilhões para pessoal. O restante é e será alvo de contingenciamentos, em razão da queda de receitas tributárias e do avanço inexorável das despesas com a Previdência Social.
Também problemática se mostra a situação das universidades estaduais paulistas, a despeito de contarem com um percentual fixo da arrecadação de ICMS (9,57%).
A receita de USP, Unicamp e Unesp basicamente só dá conta da folha de salários e aposentadorias. Mas, assim como no caso federal, seria prematuro atribuir suas posições relativas no ranking a percalços financeiros.
A classificação, em realidade, reflete investimentos passados. Ao que parece, tão cedo não será alterada a dominância, no RUF, das universidades públicas –basta constatar que a primeira instituição privada da lista aparece em 18º lugar (PUC-RS), e mesmo assim uma entidade sem fins lucrativos.
Não se deve atribuir valor exagerado, ademais, à troca de posições entre as líderes paulistas. Na realidade, as três primeiras colocadas carregam notas totais muito próximas: UFRJ, 97,42; Unicamp, 97,31; e USP, 97,24.
A USP, em geral reconhecida como a mais importante universidade do Brasil, só não aparece em primeiro ou segundo lugar porque boicota o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes.
A prova, aliás, é um das fontes da deficiência da avaliação universitária no país. Não poucos alunos a ignoram, ou entregam o exame em branco —algo que só mudará quando o resultado integrar o histórico escolar e afetar a colocação no mercado de trabalho.
O acesso de formados ao emprego, que no mundo todo contribui para a reputação de universidades, é uma lacuna nas estatísticas do setor. O Ministério da Educação deve ao país um plano consistente para agregar essa informação crucial ao acervo de dados construído nas últimas duas décadas.

18 de setembro de 2017

Who Is Blocking Campus Speakers Now?


Incidents at Harvard and Catholic Universities challenge idea that liberals are the only 
ones preventing ideas from being voiced on campuses.

 
September 18, 2017

 

Last week, the University of California, Berkeley, spent $600,000 on security to assure that Ben Shapiro, a conservative writer, could speak on the campus without being disrupted. Also this month, Charles Murray, whose research is blasted by many as racist, appeared at Harvard University. Security was tight there, and some protested outside, but Murray spoke without incident.
In both cases, the universities rejected requests by some that the appearances be called off. In both cases, the speakers praised the universities for the way they handled the events.
The appearances don't quite fit the narrative -- widely in play after Murray was shouted down at Middlebury College in the spring -- that it's impossible for controversial conservative speakers to appear on campuses these days, and that colleges won't protect the right of free speech. Indeed since the Murray incident at Middlebury, he has given speeches at several institutions -- such as Columbia and Indiana Universities -- with protests outside and heavy security but no disruptions. And when some students tried to disrupt his talk at Villanova University, campus police intervened, removed those disrupting, and the talk went on.
Berkeley -- while bickering with organizers of events that will bring a who's who of far-right speakers in the coming weeks over details on logistics for two of the 12 events -- is defending the 
right of speakers to appear and holding forums on the value of free speech.
So who is getting blocked from speaking on campus this month?
First there is Chelsea Manning (right), who served seven years in military prison for sharing classified documents with Wikileaks before President Obama commuted her sentence. Harvard on 
Friday morning rescinded her invitation to be a visiting fellow at its Institute of Politics. 
(While "visiting fellow" sounds like a visiting professorship, it is actually an extended 
speaking gig in which participants from the world of politics spend about a week interacting with Harvard students and faculty members.)
Reverend James MartinThen came news that the seminary affiliated with Catholic 
University of America had revoked an invitation to the Reverend 
James Martin (left) to 
speak on the campus. Father Martin is the author of several books 
and, most 
recently, of Building a Bridge, which argues that the Roman 
Catholic Church can find positive ways to interact with gay and 
lesbian Catholics. The book
 has been much praised by many church leaders, including by bishops. But some 
conservative Catholic groups have attacked the book.
In both the cases of Manning and of Father Martin, the decisions to revoke invitations followed outrage over the invitations being extended in the first place. Some Republican politicians went so
 far as to suggest that Harvard should lose all public funding for a decision to invite 
Manning.
In the case of Father Martin, websites such as Church Militant accused him of being "a liar   
leading these precious people to perdition."


In statements 
announcing the decisions to revoke the invitations, both Harvard and Catholic's seminary 
cited the reactions to the invitations. Douglas W. Elmendorf, dean of the John F. Kennedy 
School of Government, said in a statement revoking the invitation to Manning that "I see
 more clearly now that many people view a visiting fellow title as an honorific, so we 
should weigh that consideration when offering invitations."
The seminary explained its revoked invitation by saying that it "has experienced increasing negative feedback from various social media sites regarding the seminary’s invitation."
Many of the Republican politicians and conservative pundits who have spoken out 
against withdrawn invitations or efforts to shout down speakers, by or at the behest of the 
left, have been silent.
Some groups have been consistent in speaking out against efforts to block speakers on 
campus. The Foundation for Individual Rights in Education, for example, published a 
blog post Friday noting that many view Manning as a whistle-blower deserving of praise. 
Further, while critics of the invitation to her said that Harvard should never invite someone 
who may have violated the law, the blog post noted that this may not be a precedent 
Harvard wants to set.
"Honors are often bestowed by universities, including Harvard, on controversial people -- 
including people whose decisions and actions are seen as having caused the deaths of
 others around the world," FIRE wrote. "Berkeley counts among its professors 
John C. Yoo, whose 2002 memorandum was seen by many as authorizing the United States to torture detainees. 
Many view Henry Kissinger -- a former member of Harvard’s faculty who has spoken at 
the university repeatedly -- as a war criminal who should not be afforded a 'platform' at 
Harvard."
The FIRE analysis went on to say, "Hearing from controversial speakers of diverse views is a social good, and universities must not bow to public pressure in granting their students the ability to hear from -- and challenge -- speakers whose decisions and actions have shaped the world, for better
 or for worse. This is how students learn from history and how to criticize newsworthy 
figures."
John K. Wilson, one of the editors of the American Association of University Professors' 
"Academe" blog, regularly criticizes any attempts to block speech on campus. He said via 
email that it is frustrating that so many observers characterize this issue as one that is a 
problem only with the left.
"I want to write a book titled 'Snowflakes Fall Everywhere,'" he said. "There are plenty of 
people, on the left and the right, who want to silence free speech. So why does almost all
 of the media attention focus on the small number of leftist censors?"
Added Wilson, "Too often, people excuse or ignore censorship when it’s coming from 
people they support. I find it very common to have my allies in academic freedom battles radically shift all the time. When I defend Steven Salaita [who lost a job at the University of Illinois at Urbana-Champaign], all of the leftists join in and the conservatives bend over backwards to find some excuse for why academic freedom doesn’t apply. When I defend John McAdams [who is fighting to keep a job at Marquette University], the conservatives discover academic freedom and the liberals search for every reason to justify the administration's repression. The greatest threat to free speech on campus is hypocrisy, when defenders of free expression with good intentions fail to vigorously apply their own principles to people they despise. That divides what should be a united front for free speech and makes it possible for censorship to thrive."
Perhaps the most striking comment on how the withdrawn invitations last week aren't consistent with what many have been saying about campus speech came from John Garvey, president of Catholic University. His statement noted that Father Martin spoke at the university last year, and said that the university officials "regret the implication that Catholic University supported yesterday’s decision."
“The campaigns by various groups to paint Father Martin’s talk as controversial reflect the same pressure being applied by the left for universities to withdraw speaker invitations,” said Garvey. “Universities and their related entities should be places for the free, civil exchange of ideas. Our culture is increasingly hostile to this idea. It is problematic that individuals and groups within our church demonstrate this same inability to make distinctions and to exercise charity.”

17 de setembro de 2017

MARIA ALICE SETUBAL: Construir cidadania num país de privilégios



Renato Stockler/Na Lata
SÃO PAULO, SP, BRASIL, 09-08-2011: Motorista da ONG (organização não governamental) Banco de Alimentos recolhe frutas e legumes de doador para redistribuir em São Paulo (SP). Contra a fome e o desperdício, Luciana Chinaglia Quintão, 49, do Banco de Alimentos, finalista da sétima edição do Prêmio Empreendedor Social, recria lei da oferta e da demanda. Com o slogan “busca onde sobra, entrega onde falta”, o Banco de Alimentos tem o objetivo de minimizar os efeitos da fome por meio do combate ao desperdício de alimentos, ao mesmo tempo em que promove educação e cidadania em três frentes: nas empresas doadoras, nas instituições filantrópicas e nas escolas. Por meio de seu programa mais antigo, o colheita urbana, complementou 40.276.775 refeições e realizou 8.142.189 atendimentos desde 1999. Atualmente, beneficia 22.171 pessoas com risco alimentar, em 51 instituições de São Paulo e do entorno. O Prêmio Empreendedor Social 2011, que acontece nos cinco continentes, é realizado no Brasil pelo jornal Folha de S.Paulo em parceria exclusiva com a Fundação Schwab, da Suíça. (Foto: Renato Stockler/Na Lata, 1388) *** DIREITOS RESERVADOS. NÃO PUBLICAR SEM AUTORIZAÇÃO DO DETENTOR DOS DIREITOS AUTORAIS E DE IMAGEM ***
Motorista da ONG Banco de Alimentos recolhe frutas e legumes de doador para redistribuir em SP
Sim, somos uma nação que naturalizou as desigualdades.
Essa é uma questão que há tempos me intriga, pois me parece óbvio que, para além do sentido de justiça e humanidade, desigualdade em excesso corrói o tecido social, a coesão entre indivíduos e espaço público, abre frentes para o crime organizado, compromete o crescimento sustentável e o futuro do país.
Todos os dias, somos bombardeados por dados, estudos e pesquisas que apontam para as diversas facetas das nossas enormes iniquidades: renda, educação, saúde, saneamento, segurança, moradia.
Em estudos e rankings internacionais, nosso posicionamento é sempre entre os últimos países, mesmo dentro do continente latino-americano. Estamos também entre os países com mais baixo nível de confiança nas pessoas e instituições, o que pode ser interpretado como uma consequência das desigualdades em excesso.
Para contornar essa situação, a opção das elites econômicas, políticas, intelectuais, artísticas e esportivas é assegurar os serviços privados básicos para nosso bem estar e, muitas vezes, morar encastelados em condomínios fechados.
Cenário que, como descreve o psicanalista Christian Dunker, nos aprisiona e fortalece o medo do desconhecido, tornando aquele que é diferente uma ameaça constante.
A valorização do indivíduo e a convivência exclusiva entre iguais têm acarretado o aumento da intolerância e dos preconceitos, amplamente difundidos nas redes sociais.
Diversos estudiosos têm apontado para o passado escravagista e patrimonialista como marcas ainda persistentes das nossas desigualdades.
Nesse sentido, somos ainda um país que valoriza em demasia as aparências, gosta das hierarquias e sempre consegue um jeitinho de fazer leis com diversas exceções e privilégios para grupos de interesse.
O antropólogo Roberto da Matta destaca que a igualdade é vivida como uma ofensa o Brasil, pois o anonimato associado à cidadania nos perturba; não queremos ser igual a todo mundo.
Embora nossa busca por mais equidade tenha começado tarde, é inegável que tivemos grandes avanços nos últimos 20 anos, com a expansão do acesso à educação, o aumento do salário mínimo, a implementação de programas de distribuição de renda, dentre outros.
Ao lado das políticas públicas, o avanço das tecnologias tornou possível o reconhecimento de inúmeras vozes antes excluídas do debate, especialmente entre os jovens que formaram coletivos e movimentos, em luta por microrrevoluções.
A grita geral na defesa da Amazônia ou os enfrentamentos das mulheres às questões da violência parecem ser sinais dessa insatisfação e da potência de grupos que querem ser ouvidos e não aceitam viver em um estado de paralisia até as eleições de 2018.
Diante de todo esse cenário, o que fazer?
A tessitura de vínculos de confiança que tornem possível a construção de diálogos e pontes entre os diferentes grupos que ocupam os mais diversos lugares na sociedade, cenário fundamental para a saída da crise, exigirá que nós, pertencentes às diferentes elites, possamos escutar, reconhecer o outro como igual no debate e construir, juntos, novas bases de diálogo.
O avanço no enfrentamento das desigualdades exigirá não apenas uma reflexão frente a nosso posicionamento como cidadãos, mas também o amadurecimento de questões centrais na sociedade contemporânea hoje, como a tributação progressiva, a universalização dos direitos para além da criação de políticas universais e a adoção da equidade e sustentabilidade como foco de todas as políticas.
Para que essa agenda possa disputar espaço nas próximas eleições, é preciso começarmos a nos organizar já, de modo que as conversas com familiares e amigos ou os debates em instituições e movimentos avancem para além do pessimismo e da desesperança, na direção de propostas concretas e elaboradas com a participação de diferentes grupos e setores da sociedade.
MARIA ALICE SETUBAL, a Neca, é socióloga e educadora. Doutora em psicologia da educação, preside os conselhos da Fundação Tide Setubal e do GIFE. Fundadora e membro do conselho do Cenpec. Pesquisa educação, desigualdades e territórios vulneráveis

SP tem quase 2 professores agredidos ao dia; ataque vai de soco a cadeirada


Bruno Santos/Folhapress
SAO PAULO, SP, BRASIL, 15-09-2017: A professora Luciana Rocha (41) estava dentro de sua sala de aula quando a mae de uma de suas alunas invadio o local para agredila. A agressao so nao aconteceu porque sua assistente e um coordenadora da escola impediram a violencia.(Foto: Bruno Santos/ Folhapress) *** FSP-COTIDIANO *** EXCLUSIVO FOLHA***
A mãe de uma das alunas da professora Luciana Rocha, 41, tentou agredi-la em sua sala de aula
A cada dia, em média, quase dois professores são agredidos em seus locais de trabalho no Estado de São Paulo, mostram dados de registros policiais obtidos pela Folha por meio da Lei de Acesso à Informação.
O número leva em conta as 178 queixas de educadores em delegacias no primeiro semestre deste ano em datas do calendário escolar (dias úteis do período de fevereiro a junho).
Elas se referem a ocorrências de "vias de fato" (37%), como um empurrão sem maiores consequências, e ao crime de lesão corporal (63%). Aconteceram em creches, escolas e universidades, tanto públicas como particulares.
Há educadores atingidos com lixeiras, carteiras escolares, socos, chutes e pontapés. Em ao menos um de cada quatro casos, um aluno foi apontado entre os agressores -a maioria dos registros não identifica os responsáveis.
O número real de ocorrências é provavelmente ainda maior, pois, em um terço dos casos, a profissão da vítima não é identificada no boletim. Sabe-se ainda que, em estatísticas de violência, é comum haver subnotificação, pois parte das pessoas não chega a procurar a polícia.
A violência contra professores ganhou repercussão nacional nas últimas semanas com a imagem de Márcia Friggi, de Indaial (SC), fotografada com sangue no rosto após levar um soco de um aluno. A cena chamou a atenção para casos que se repetem todos os dias em todos os Estados.
Em 2015, 23 mil professores do país relataram ter sido ameaçados por algum estudante da escola, segundo questionários da Prova Brasil, exame aplicado pelo Ministério da Educação.
Para especialistas, dois fatores se combinam para explicar as agressões. De um lado, está a violência que existe na própria sociedade. "Os conflitos transpassam o muro da escola e continuam ali", afirma Renato Alves, pesquisador do NEV (Núcleo de Estudos da Violência) da USP.
"Crianças que vivem em ambientes violentos tendem a se relacionar de maneira pior com seus colegas e professores", completa Priscilla de Albuquerque Tavares, da FGV.
Por outro lado, a desconexão entre o aluno e a escola agrava o problema, diz Bernard Charlot, que conduziu pesquisas sobre o tema para o governo francês e hoje é professor visitante na Universidade Federal de Sergipe. "Um aluno que passa cinco dias na escola desinteressado, sem ver sentido no que aprende, vira foco de tensão permanente. Com qualquer faísca, pode gerar incêndio."
SOCOS E PONTAPÉS
"Quem é que sai para trabalhar pensando em tomar um soco na cara?" A pergunta não sai da cabeça do professor Márcio Gomes, 40, há mais de um mês. Na primeira quinta-feira de agosto, dia 3, ele sentiu um clima estranho já durante a aula, numa escola estadual da cidade de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo.
Ensinava equação de segundo grau quando um aluno que ele nunca tinha visto entrou na sala, pegou o celular de outro estudante e fez barulho no corredor ao sair. Advertido por uma funcionária, gritou palavrões e disse que iria dar um soco nela.
Ao ouvir a ameaça, Márcio procurou a colega para alertá-la. Não imaginava que era ele quem iria, involuntariamente, entrar na estatística de professores atacados em seu local de trabalho.
Naquele dia, menos de três semanas antes de a professora Márcia Friggi ser atacada em Santa Catarina, Márcio foi surpreendido no pátio pelo aluno desconhecido que entrara no meio da sua aula.
"Ele estava sentado em um grupo", lembra. "Com um olhar fixo de raiva, levantou-se, veio até mim e começou a me dar socos e pontapés. Andei uns quatro metros para trás até escapar." O apagador que Márcio segurava quebrou. As pancadas atingiram sua cabeça e sua perna.
O motivo do ataque o professor não sabe bem até hoje. Desconfia que o estudante, de 16 anos, possa ter ficado revoltado quando ele alertou a outra funcionária sobre a ameaça no corredor.
DESPROPORÇÃO
A perplexidade dos professores agredidos ao lembrar o início do episódio de violência é comum em seus relatos. Por mais injustificável que seja o ato de violência em si, chama a atenção a desproporcionalidade entre a agressão e a desavença que a originou.
Maria (nome fictício), 39, foi parar na UTI após um aluno reclamar que recebera a nota errada numa escola da zona leste de São Paulo.
Professor de artes, Jeferson Siqueira, 49, foi golpeado com uma cadeira após repreender um jovem que havia batido o caderno com força na mesa num colégio na zona norte. Machucou antebraço, cotovelo e mão. Teve o dedo mindinho quebrado.
Luciana Rocha Frias, 41, foi xingada aos gritos pela mãe de uma criança da rede municipal após um mal entendido sobre o tamanho do uniforme. Funcionários se colocaram na frente da professora para impedir a agressão.
O fenômeno do "motivo fútil" já foi identificado em pesquisas sobre violência escolar de outros países, diz Bernard Charlot, professor aposentado da Universidade Paris 8 que conduziu estudos sobre o tema para o governo francês há duas décadas.
"Quando se analisam os casos, muitas vezes não se entende como uma coisa tão pequena gerou uma reação tão forte", diz ele, que hoje atua na Universidade Federal de Sergipe. "Mas, em geral, já havia uma questão maior antes do episódio de violência -não necessariamente ligada ao professor."
No caso de Jeferson, por exemplo, o colégio tinha um problema com drogas. Dias antes, ele e o aluno que depois o agrediu haviam tido uma discussão. "Ele traficava dentro da escola e sentava perto da porta para cobrar as pessoas no corredor. Mandei ele fechar a porta, e ele ficou nervoso", afirma.
Muitas vezes a agressão na escola também ocorre após uma sucessão de pequenos atos de incivilidade, de acordo com Renato Alves, pesquisador do NEV (Núcleo de Estudos da Violência) da USP e autor de estudos sobre o tema.
Se a escola não tomar uma atitude que deixe claro que aquilo não pode ser feito, um xingamento e um bullying, por exemplo, podem redundar em um ataque físico. É importante notar, diz, que muitas vezes o ato de violência é só a ponta do iceberg de uma série de frustrações que explodem dentro da escola.
FRUSTRAÇÃO
Professor em Mogi das Cruzes, Álvaro Dias lista alguns acontecimentos recentes nas escolas da cidade, para ele sintomas da frustração com uma mesma gestão educacional fracassada: alunos jogaram verniz e urinaram em uma caixa-d'água; fizeram corredor polonês para agredir colegas; queimaram o carro de uma diretora; agrediram mais de uma professora.
Fábia Morente, 41, foi uma delas. Com 20 anos de profissão, a docente entrou mais de uma vez na estatística.
Os episódios começaram há alguns meses, após ela avisar uma colega que alunos haviam quebrado uma vidraça do colégio. Pouco depois, ela chegou em seu carro e descobriu que tinham descarregado no veículo todo o conteúdo de um extintor.
Em abril deste ano, veio a situação mais grave, no meio de uma aula do 9º ano. "A porta da sala estava aberta. Eu só vi uma lixeira voando, e os alunos gritando: 'não!'." Não deu tempo de desviar. A lixeira -cheia- bateu na cabeça e no ombro de Fábia.
Na última quarta-feira (13), ela decidiu voltar à delegacia, agora por causa de outro ataque. Dessa vez, a porta da sala estava fechada. Um aluno colocou uma bombinha no buraco da porta, e estilhaços atingiram seu ombro. "Recebemos uma cobrança enorme, mas não temos estrutura para trabalhar", reclama ela.
Agressões não são o único problema enfrentado pelas professoras mulheres. Luciana (nome fictício) registrou queixas de outra ordem. Ela dá aulas de educação física em uma escola pública da periferia de Campinas (interior de São Paulo) e prefere não ser identificada.
Conta que, no início do ano, alunos começaram a assediá-la. Ela passou de sala em sala e pediu respeito. Um mês depois, viu seu carro inteiro riscado de "canetão", com palavras como "gostosa" e desenhos obscenos. Até hoje não se sabe quem foi o autor -o que significa que ninguém foi punido.
Educadora da rede municipal, Silvana Ferreira, 32, foi alvo de outro crime, também dentro da escola, uma unidade da rede municipal em Cidade Tiradentes (zona leste). Bandidos entraram no fim do dia, trancaram os professores em uma sala e levaram todos os pertences. "A gente até espera ser abordado na rua, mas não no seu local de trabalho", afirma.
CONSEQUÊNCIAS
Ainda que graves, poucos casos se comparam ao de Maria (nome fictício), que pediu para não ser identificada. "Rodo nela", escreveu em uma rede social um aluno de 16 anos após dar uma rasteira nela, em uma escola na zona leste de São Paulo. O ataque aconteceu após uma discussão sobre o registro da nota do estudante.
Pega de surpresa pela rasteira, Maria caiu, bateu a cabeça e ficou mais de cinco minutos desacordada. No chão da escola estadual na zona leste de São Paulo, teve convulsões e ficou três dias em observação na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) de um hospital, com a costela trincada.
Hoje, está bem de saúde. Mas tem medo e, com medo, não é mais a mesma na sala de aula, diz. "A minha matéria [matemática] não é a do professor mais bonzinho. A gente precisa de atenção, disciplina, que os alunos façam o exercício", afirma. "Mas não consigo mais ter a mesma autoridade. Se um aluno falasse que não ia fazer algo, antes eu insistia. Agora eu só respondo: 'tá' bom."
Seu caso, ocorrido no fim do ano passado, causou comoção na rede estadual. Professores de diversos colégios foram trabalhar vestidos de preto. Alunos fizeram protestos e homenagens à professora. Em um dos cartazes, lia-se: "professores desmotivados, alunos prejudicados".
A reação revela duas características da violência escolar. A primeira é que, ao contrário do que podem dar a entender números alarmantes, os atos são praticados e tolerados por uma minoria. "Os casos que ocorrem são muito graves, mas não significa que a escola virou um lugar onde predominam o medo e os ataques", diz Alves, do NEV/USP.
A segunda característica é que, se os agressores são minoria, as consequências de seus atos atingem toda a escola. Aulas são interrompidas, profissionais adoecem e pedem licença, e alunos ficam sem professores.
Atacada pela mãe da aluna, Luciana Rocha, 41, ficou dois anos afastada após o episódio, por motivos de saúde. "Não consigo mais entrar na sala de aula", diz.
Ela hoje exerce funções administrativas, assim como Jeferson, que foi atacado com a cadeira em 2015. Desde que foi golpeado, ele toma medicamentos contra depressão e síndrome do pânico. Evita pegar ônibus na hora do almoço para não encontrar outros estudantes no transporte. Talvez até volte a lecionar, mas não tem certeza.
Agredido há pouco mais de um mês em Bragança Paulista, Márcio voltou à sala de aula, mas em outra escola. Dessa vez, conta, foi ele que pediu desculpas aos estudantes -por não conseguir "se segurar" na sala. "Chorei por quase um minuto e meio na frente deles", afirma.
SOLUÇÕES
Apontados como fatores que influenciam a violência escolar, os problemas sociais e de segurança pública não se resolvem simplesmente por iniciativa das escolas. Na tentativa de uma solução interna, escolas de São Paulo têm apostado em ações de mediação de conflito.
Na rede estadual, desde 2010, professores têm sido treinados para atuar em casos de ofensas, ameaças e agressões, inclusive com ações preventivas. A atuação desses profissionais tinha melhorado a situação da violência, diz Maria Izabel Noronha, dirigente da Apeoesp (sindicato dos professores da rede estadual). Segundo ela, porém, parte do quadro desses profissionais foi cortada pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB).
Chefe de gabinete da secretaria de Educação, Wilson Levy rebate a informação e afirma que houve uma junção desse programa com outro, de escola da família. Segundo ele, a pasta anunciará em breve um programa para aumentar o número de professores mediadores na rede, com foco nas regiões com maior vulnerabilidade social do Estado. "Mas é preciso lembrar que o que acontece na escola é um sintoma", afirma. "A violência está na sociedade."