30 de novembro de 2014

Where Do We Go After Ferguson?

A protester wrapped himself in a United States flag in Ferguson, Mo., on Tuesday. CreditJewel Samad/Agence France-Presse — Getty Images
Continue reading the main storyShare This Page
WASHINGTON — WHEN Ferguson flared up this week after a grand jury failed to indict the white police officer Darren Wilson for killing the unarmed black youth Michael Brown, two realities were illuminated: Black and white people rarely view race in the same way or agree about how to resolve racial conflicts, and black people have furious moral debates among ourselves out of white earshot.
These colliding worlds of racial perception are why many Americans view the world so differently, and why recent comments by President Obama and the former New York City mayor Rudolph W. Giuliani cut to the quick of black identity in America.
From the start, most African-Americans were convinced that Michael Brown’s death wouldn’t be fairly considered by Ferguson’s criminal justice system. There were doubts that the prosecution and defense were really on different teams. The prosecutor, Robert McCulloch, looked as if he were coaching an intramural scrimmage with the goal of keeping Officer Wilson from being tackled by indictment.
The trove of documents released after the grand jury’s decision included Officer Wilson’s four-hour testimony, in which the 6-foot-4-inch, 210-pound cop said that his encounter with the 6-foot-4-inch, 292-pound teenager left him feeling like “a 5-year-old holding on to Hulk Hogan.” He used the impersonal pronoun “it” when he said that Michael Brown looked like a “demon” rushing him. To the police officer and to many whites, Michael Brown was the black menace writ large, the terrorizing phantom that stalks the white imagination.
These clashing perceptions underscore the physics of race, in which an observer effect operates: The instrument through which one perceives race — one’s culture, one’s experiences, one’s fears and fantasies — alters in crucial ways what it measures.
The novelist Ann Petry vividly captured this observer effect in her 1946 novel “The Street,” in which the African-American protagonist, Lutie Johnson, remarks that racial perceptions of blacks “depended on where you sat.” She explains that if “you looked at them from inside the framework of a fat weekly salary, and you thought of colored people as naturally criminal, then you didn’t really see what any Negro looked like,” because “the Negro was never an individual” but “a threat, or an animal, or a curse.”
After a black man is killed in a failed robbery, she notes that a reporter “saw a dead Negro who had attempted to hold up a store, and so he couldn’t really see what the man lying on the sidewalk looked like.” Instead, he saw “the picture he already had in his mind: a huge, brawny, blustering, ignorant, criminally disposed black man.”
Tear gas engulfed the police and protesters in Ferguson, Mo., on Monday.CreditJewel Samad/Agence France-Presse — Getty Images
Our American culture’s fearful dehumanizing of black men materialized once again when Officer Wilson saw Michael Brown as a demonic force who had to be vanquished in a hail of bullets.
IT is nearly impossible to convey the fear that strikes at the heart of black Americans every time a cop car pulls up. When I was 17, my brother and I and a childhood friend were pulled over by four Detroit cops in an unmarked police vehicle. This was in the mid-70s, in the shadow of the infamous Detroit Police Department task force called Stress (Stop the Robberies, Enjoy Safe Streets), which was initiated after the 1967 riots. The unit lived up to its name and routinely targeted black people.
As we assumed the position against the car, I announced to one of the plainclothes officers that I was reaching into my back pocket to fish the car’s registration from my wallet. He brought the butt of his gun sharply across my back and knocked me to the ground, promising, with a racial epithet, that he’d put a bullet through my head if I moved again. When I rose to my feet, cowering, showing complete deference, the officer permitted me to show the car’s registration. When the cops ran the tags, they concluded what we already knew: The car wasn’t stolen and we weren’t thieves. They sent us on without a hint of an apology.
My recent dust-up with Mr. Giuliani on national television tapped a deep vein of racially charged perception. In a discussion on “Meet the Press” of Ferguson and its racial fallout, Mr. Giuliani steered the conversation down the path of a conservative shibboleth: that the real problem facing black communities is not brutality at the hands of white cops but brutality in the grips of black thugs. He cited the fact that 93 percent of black homicide victims are killed by black people; I argued that these murderers often go to jail, unlike the white cops who kill blacks with the backing of the government. What I didn’t have time to say was that 84 percent of white homicide victims are killed by white people, and yet no language of condemnation exists to frame a white-on-white malady that begs relief by violent policing.
This doesn’t mean that black people aren’t weary of death ravaging our communities. I witnessed it personally as I sat in a Detroit courtroom 25 years ago during the trial of my brother Everett for second-degree murder, and though I believe to this day that he is innocent, I watched him convicted by an all-black jury and sentenced to prison for the rest of his life.
Many whites who point to blacks killing blacks are moved less by concern for black communities than by a desire to fend off criticism of unjust white cops. They have the earnest belief that they are offering new ideas to black folk about the peril we foment in our own neighborhoods. This idea has also found a champion in Bill Cosby, who for the past decade has levied moral charges against the black poor with an ugly intensity endorsed by white critics as tough love and accepted by most black journalists as homegrown conservatism.
But Mr. Cosby’s put-downs are more pernicious than that. How could one ever defend his misogynistic indictment of black women’s lax morals and poor parenting skills? “Five, six children, same woman, eight, 10 different husbands or whatever,” he liked to recite. “Pretty soon you’re going to have to have DNA cards so you can tell who you’re making love to. You don’t know who this is; might be your grandmother.”
Journalistic mea culpas are now accompanying Mr. Cosby’s Shakespearean fall from grace. He has been recast as a leering king who is more sinner than sinned against as the allegations of drugging and raping women pile up. But these writers avoid mentioning the sexist blinders that kept them from seeing how hateful Mr. Cosby was toward black women long before he was accused of abusing mostly white women.
Bill Cosby didn’t invent the politics of respectability — the belief that good behavior and stern chiding will cure black ills and uplift black people and convince white people that we’re human and worthy of respect. But he certainly gave it a vernacular swagger that has since been polished by Barack Obama. The president has lectured black folk about our moral shortcomings before cheering audiences at college commencements and civil rights conventions. And yet his themes are shopworn and mix the innocuous and the insidious: pull your pants up, stop making racial excuses for failure, stop complaining about racism, turn off the television and the video games and study, don’t feed your kids fried chicken for breakfast, be a good father.
As big a fan as he is of respectability politics, Mr. Obama is the most eloquent reminder that they don’t work, that no matter how smart, sophisticated or upstanding one is, and no matter how much chastising black people pleases white ears, the suspicions about black identity persist. Despite his accomplishments and charisma, he is for millions the unalterable “other” of national life, the opposite of what they mean when they think of America.
Barack Obama, like Michael Brown, is changed before our eyes into a monstrous thing that lacks humanity: a monkey, a cipher, a black hole that kills light. One might expect the ultimate target of this black otherness to have sympathy for its lesser targets, who also have lesser standing and lesser protection, like the people in Ferguson, in Ohio, in New York, in Florida, and all around the country, who can’t keep their unarmed children from being cut down in the street by callous cops who leave their bodies to stiffen into rigor mortis in the presence of horrified onlookers.
President Obama’s clinical approach to race was cemented after the 2009 Henry Louis Gates Jr. incident — in which the Harvard professor and the white police officer who arrested him for breaking into his own house were invited to the White House to commune over a beer — convinced him that he should talk race only when his hand was forced.
He has employed a twin strategy: the “heroic explicit,” in which he deliberately and clearly assails black moral failure and poor cultural habits, and the “noble implicit,” in which he avoids linking whites to social distress or pathology and speaks in the broadest terms possible, in grammar both tentative and tortured, about the problems we all confront. It’s an effort that hinges on false equivalencies between black and white and the mistaken identification of effect for cause.
MR. OBAMA spoke twice in the aftermath of the Ferguson grand jury’s decision. He spoke Monday night about America as a nation of laws and said that we must respect the jury’s conclusion, even if we don’t agree with it, and make progress by working together — not by throwing bottles, smashing car windows or using anger as an excuse to vandalize property or hurt anyone.
On Tuesday, the president doubled down on his indictment of “criminal acts” and declared, “I do not have any sympathy” for those who destroy “your own communities.” While he avoided saying so, it was clear that his remarks were directed at the black people who looted and rioted in Ferguson. But their criminal activity is the effect of going unrecognized by the state for decades, a crime in itself. As for the plague of white cops who kill unarmed black youth, the facts of which are tediously and sickeningly repetitive and impose a psychological tariff on black minds, the president was vague, halting and sincerely noncommittal.
Instead, he lauded the racial progress that he said he had witnessed “in my own life,” substituting his life for ours, and signaled again how his story of advancement was ours, suggesting, sadly, that the sum of our political fortunes in his presidency may be lesser than the parts of our persistent suffering. Even when he sidled up to the truth and nudged it gently — “these are real issues,” the president acknowledged — he slipped back into an emotional blandness that underplayed the searing divide, saying there was “an impression that folks have” about unjust policing and “there are issues in which the law too often feels as if it is being applied in discriminatory fashion.”
Whose impression is it, though that word hardly captures the fierce facts of the case? Who feels it? Who is the subject? Who is the recipient of the action? Mr. Obama’s treacherous balancing act between white and black, left and right, obscures who has held the power for the longest amount of time to make things the way they are. This is something, of course, he can never admit, but which nevertheless strains his words and turns an often eloquent word artist into a faltering, fumbling linguist. President Obama said that our nation was built on the rule of law. That is true, but incomplete. His life, and his career, too, are the product of broken laws: His parents would have committed a crime in most states at the time of their interracial union, and without Martin Luther King Jr. breaking what he deemed to be unjust laws, Mr. Obama wouldn’t be president today. He is the ultimate paradox: the product of a churning assault on the realm of power that he now represents.
No wonder he turns to his own body and story and life to narrate our bodies, our stories and our lives. The problem is that the ordinary black person possesses neither his protections against peril nor his triumphant trajectory that will continue long after he leaves office.
More than 45 years ago, the Kerner Commission concluded that we still lived in two societies, one white, one black, separate and still unequal. President Lyndon B. Johnson convened that commission while the flames that engulfed my native Detroit in the riot of 1967 still burned. If our president and our nation now don’t show the will and courage to speak the truth and remake the destinies of millions of beleaguered citizens, then we are doomed to watch the same sparks reignite, whenever and wherever injustice meets desperation.

Ucrania: la pasión europea, Mario Vargas Llosa

PIEDRA DE TOQUE. La agresión de Putin es sólo el primer paso en su desafío al sistema democrático occidental; pero los ucranios son ahora libres y a Rusia le costará muchísimo arrebatarles esa libertad


Quienes se sienten desmoralizados con la construcción de la Unión Europea deberían ir a Ucrania; verían cómo este proyecto concita una enorme ilusión en muchos millones de ucranios que ven en la Europa unida la única garantía de supervivencia de la soberanía y la libertad que conquistaron con la gesta del Maidán contra el Gobierno corrupto de Yanukóvich y que hoy amenaza la Rusia de Putin, empeñado en la reconstitución del imperio soviético (aunque no se llame así). Verían también la serenidad estoica que muestra una sociedad invadida por una potencia extranjera, que se ha apoderado ya de la quinta parte de su territorio, y cuyas fronteras orientales, donde mueren a diario más voluntarios de los que indican las estadísticas oficiales, siguen transgrediendo centenares de blindados y millares de soldados rusos.
 “Doscientos tanques sólo en los últimos dos días y, con ellos, unos 2.000 militares, sin sus uniformes”, me precisa el presidente Petro Poroshenko, en el gigantesco y pesado edificio que ocupa, y que fue construido para el Comité Central del Partido Comunista de Ucrania. “Rusia no respetó ni un solo día el acuerdo de paz que firmamos en Minsk. Pero la invasión rusa ha servido para unirnos. Ahora, el 80% del país rechaza la intervención y está dispuesta a pelear”. Habla con mucha calma, en un inglés cuidado —es un industrial próspero, rollizo y amable y todo el mundo conoce sus fábricas de chocolates— y está convencido de que Europa y Estados Unidos no permitirían la ocupación colonial de su país.
Se dice que entre el presidente Poroshenko y su primer ministro, Arseni Yatseniuk, hay diferencias, pues este último sería más radical que aquél. Conversando con ambos, por separado, apenas las noté. Ambos creen que la agresión rusa continuará y que Ucrania, para Putin, es sólo un primer paso en su desafío al sistema democrático occidental, al que percibe como un adversario esencial de Rusia y del orden autoritario e imperial que preside; y que, en las actuales circunstancias, el jerarca ruso se siente envalentonado por la impunidad con que ha actuado creando los enclaves prorrusos de Georgia —Abjasia y Osetia del Sur—, apoderándose de Crimea e infligiendo una humillación al presidente Obama en Siria, saltándose alegremente, sin el menor perjuicio, las “líneas rojas” que éste estableció.
El jerarca ruso está ahora envalentonado por la impunidad con que ha actuado
En lo que Poroshenko y Yatseniuk se diferencian es en que el primer ministro, raro hombre público, no trata de ser simpático a su interlocutor y habla con una franqueza cruda que cualquier político consideraría suicida. “Nadie va a ir a la guerra por Ucrania, lo sabemos de sobra. Ojalá que, por lo menos, nos den armas para defendernos”. Es delgado, calvo, con unas gruesas gafas de miope y, se diría, un asceta. Economista destacado, dirigió el Banco Central, ha sido ministro de Economía y rara vez sonríe. “No soy pesimista sino realista”, asegura. “Los zares, Lenin, Stalin, trataron de desaparecernos. Ahora todos ellos están muertos y Ucrania sigue viva. ¿Qué debemos hacer, pese a la desigualdad de fuerzas con Rusia? Luchar, no hay alternativa”. Piensa que si Ucrania cae, las próximas víctimas serán los países bálticos, Polonia, las otras “exdemocracias populares”. “Putin no puede dar marcha atrás, en Rusia lo matarían. Ha hecho tragar a su pueblo que todo esto es una conjura de la CIA y los Estados Unidos. Y, por ahora, los rusos le creen y están dispuestos a sufrir todas las sanciones económicas que les inflija el mundo democrático”. Estas sanciones están afectando seriamente a la economía rusa, pero Yatseniuk no cree que ello mermará la vocación imperialista de Putin. “Su principal objetivo no es económico sino político e ideológico”.
A la ciudad de Dnipropetrovsk, extendida a ambas orillas del majestuoso río Dniéper, han llegado en las últimas semanas más de 40.000 refugiados de las provincias orientales donde se combate. El alcalde me dice que esperan otros 40.000 en las próximas semanas. Aunque las migraciones forzadas por causa de la guerra son difíciles de cuantificar, la cifra de ucranios que han abandonado las ciudades y pueblos de la frontera debe haber ya excedido el millón. Para albergar este gigantesco éxodo hay una movilización ciudadana que apoya y a veces suple al Estado precario, que se va reconstituyendo a saltos luego del cataclismo que significó el desplome de la dictadura de Yanukóvich gracias al levantamiento del Maidán.
En la enorme plaza de este nombre hay fotos de todos los muertos durante las acciones. Hablo con varios líderes de la revuelta y el que me impresiona más es Dimitri Bulatov. Organizó las caravanas de automóviles que iban a hacer manifestaciones de repudio pacíficas ante las casas de los jerarcas del régimen y aseguró las comunicaciones rebeldes. Nada más comenzar las protestas fue secuestrado, en plena calle, por individuos que —supone— pertenecían a las “fuerzas especiales” del Gobierno. Durante ocho días fue torturado: le acuchillaron la cara, le cortaron media oreja y, finalmente, lo crucificaron. Sus verdugos querían que confesara que el Maidán era financiado por la CIA. “Les confesé todos los disparates que querían pero, aun así, estaba seguro de que me matarían”. Sin embargo, al octavo día, misteriosamente, sus captores desaparecieron. Ahora es ministro de Juventud y Deportes. Joven y jovial, luce sin la menor incomodidad su oreja cortada, su gran cicatriz en la cara y sus manos trituradas. Me informa con lujo de detalles sobre los esfuerzos que hacen él y sus colegas en el Gobierno para acabar con la corrupción, grande todavía en la burocracia oficial. Le pregunto si es verdad que, apenas liberado del secuestro, fue a pelear como voluntario a la frontera. “Sí, y mi mujer me dijo que si volvía vivo ella me mataría. Pero no lo hizo”. Su mujer, que está a su lado, joven, bonita y risueña, asiente: “Da, da”.
Millones de ucranios ven en la Unión Europea la única garantía para su supervivencia
El Ejército ucranio que se enfrenta a los rusos ha renacido prácticamente de la nada; está conformado en parte por voluntarios y, dada la precariedad de los fondos de que dispone el Gobierno, existe en buena medida gracias al apoyo de la población civil. Julia, mi traductora, me cuenta que ella y sus hijos están encargados de las colectas en su calle para ayudar a los soldados y que, cada semana, van ellos mismos en vehículos alquilados a la frontera llevando las provisiones, mantas, colchones y dinero que permiten a los combatientes subsistir.
El único escritor ucranio que he leído, Mijaíl Bulgákov, se sentiría orgulloso en estos días de la resistencia y el heroísmo tranquilo de sus compatriotas. Él fue una víctima de Stalin y del régimen comunista que censuró casi todos sus libros; su obra maestra, El maestro y Margarita, sólo apareció en los años setenta, muchos años después de su muerte. En lugar de mandarlo al Gulag, Stalin tuvo el refinamiento de darle un trabajito miserable en el mismo teatro donde se habían estrenado sus obras más exitosas, como para que se muriera a pocos de nostalgia y frustración.
Voy a visitar su casa-museo en la bonita cuesta de San Andrés, donde hay una bella iglesia ortodoxa, pintores callejeros y quioscos llenos de camisetas con insultos contra Putin y rollos de papel higiénico impresos con su cara. La casa del escritor es pulcra, blanca, llena de íconos —sus seis hermanas y sus padres eran muy religiosos— y ahí están sus cuadernos de estudiante de Medicina, su título, sus libros póstumamente publicados que él nunca vio. Visitar esta casa, este país, aunque sea sólo por cinco días, me entristece, me alegra, me subleva. Una visita tan corta le llena a uno la cabeza de imágenes confusas y sentimientos exaltados. Pero de una cosa estoy seguro: los ucranios son ahora libres y a Vladímir Putin le costará muchísimo arrebatarles esa libertad

Se parecerá 2015 a 2014?, Moisés Naím

Nadie pudo prever a finales de 2013 la epidemia de ébola, el auge del Estado Islámico o la invasión de Crimea. ¿Qué cabe esperar del año próximo?

Es probable que, donde usted vive, la temperatura, la nubosidad y la precipitación de mañana sean similares a las de hoy. Esta es una antigua fórmula para pronosticar el tiempo que los meteorólogos llaman la regla de la persistencia. Obviamente, no siempre funciona.
Durante el verano, y en zonas tropicales, esta regla es más confiable que durante el invierno en los países de clima templado, por ejemplo. Y antes funcionaba mejor que ahora. La variabilidad del clima ha aumentado, creando sorprendentes cambios en los patrones históricos de temperatura y precipitación. Pero este artículo no es sobre el clima. Es sobre los eventos que han desestabilizado al mundo en 2014 y la probabilidad de que persistan y nos afecten a todos el año próximo.
Esa probabilidad es baja. Lo más factible es que 2015 nos depare sorpresas muy diferentes a las de este año, e igualmente difíciles de prever. ¿Quién pronosticó, a finales de 2013, que en 2014 el Estado Islámico (EI), súbitamente convertido en una formidable fuerza militar, invadiría Irak? ¿O que Vladímir Putin invadiría Crimea, desestabilizaría Ucrania y que Occidente impondría a Rusia duras sanciones económicas? ¿Quién anticipó que la epidemia de ébola en África desataría el pánico mundial o que los precios del petróleo entrarían en caída libre? Nadie. Ni los gobiernos, sus militares y servicios de inteligencia, ni organismos internacionales como el Banco Mundial o el Fondo Monetario Internacional, ni los grandes bancos privados o empresas multinacionales, ni académicos, editorialistas o futurólogos. Nadie.
Por ello aplicar la regla de la persistencia al mundo de 2015 sería un error. Ciertamente ni el ébola, ni el EI ni la beligerancia de Putin desaparecerán en 2015. Pero no serán tan importantes como este año. Tristemente, en 2015 el ébola seguirá provocando víctimas, y si bien algunos países lograrán contener su expansión, en otros estallará con fuerza. Esto ya está pasando: mientras que en Liberia hay progresos, en Sierra Leona la epidemia se ha agudizado. Pero, afortunadamente, los peores cálculos sobre la letalidad de la crisis no fueron correctos. Los pronósticos eran de 10.000 nuevos casos cada semana, que escalarían hasta llegar, en enero de 2015, a 1,4 millones de nuevos infectados. Y cientos de miles de muertos. En realidad, hasta ahora han fallecido en todo el mundo 5.674 pacientes y el número total de casos es de 15.901. Las pérdidas económicas en África subsahariana, originalmente estimadas en 25.000 millones de dólares para 2015, ahora se calculan entre 3.000 y 4.000 millones de dólares.
Algo parecido ha pasado con el Estado Islámico. Continuará operando militarmente, a veces con éxito, en la inmensa franja de territorio que va de Siria a Irak. Individuos y células dirigidas o inspiradas en esa organización atacarán blancos en otros países. Pero el financiamiento, los líderes, la movilidad, el armamento y, en general, la capacidad militar del Estado Islámico se verán disminuidos mientras que las capacidades de sus enemigos habrán aumentado. El Estado Islámico se enfrenta a una alianza, hasta hace poco inimaginable, de más de 50 naciones que incluye a Estados Unidos y varios países europeos y de Oriente Próximo. Todo indica que el futuro del EI no será tan exitoso como su brevísimo pasado.
Otro que ha creado las condiciones para la aparición de una alianza también inimaginable es Vladímir Putin. A pesar de su reciente acercamiento a China, la realidad es que el presidente ruso se las ha arreglado para que muchos países se unan para tratar de contener sus atropellos. Así, Putin ha logrado aislar a su país y dañar gravemente su economía. La caída de los precios del petróleo, la masiva fuga de capitales y las severas sanciones económicas hacen que las bravuconadas del presidente ruso sean vistas cada vez más como gestos de histrionismo nervioso que como los actos de un líder seguro de sí mismo y de su poder. En 2015, la debilidad de Vladímir Putin dará más que hablar que su fuerza.
Pero si los principales eventos de 2014 no seguirán marcando la pauta en 2015, ¿entonces cuáles serán? No lo sé. Pero sospecho que algunos de los eventos que nos podrían sorprender el año próximo tendrán cuatro orígenes: 1) Un ciberataque de una magnitud y consecuencias sin precedentes; 2) Un accidente climático que también tendrá un alcance inédito; 3) La inestabilidad que sufrirán los países exportadores de petróleo como consecuencia de la caída de los precios del crudo, y 4) Buenas noticias: la firma de un tratado nuclear con Irán y el comienzo de la normalización de las relaciones entre ese país y EE UU.

ANTONIO PRATA Direitos do Homem (sensível)

Sou apenas um rapaz latino americano, um pobre diabo espremido entre o machismo e o feminismo
Se você é um ogro machista e homofóbico, você tem representantes no congresso, na imprensa, tem vários amigos no clube. Se você é LGBT, você tem representantes no congresso, na imprensa, tem vários clubes de amigos(as). Agora, se você está no meio do caminho, se é apenas um homem sensível lutando para ver respeitados certos direitos básicos de sua pacata heterossexualidade, não tem político a quem pedir socorro e periga não emplacar sequer reclamação na seção de cartas do jornal.
Que "direitos básicos" são esses? Ora, muitos, que viemos perdendo aos poucos, da adolescência pra cá, conforme nos apaixonávamos por mulheres inteligentes, elegantes e criteriosas, diante das quais, sensíveis que somos, fomos fazendo concessões. Usar regata, por exemplo: não pode. Calçar tênis de corrida, socialmente: nem pensar. Sair por aí, poxa vida, de pochete: divórcio.
A menção à regata, ao tênis de corrida e à pochete pode dar a impressão de que as reivindicações deste desassistido grupo pendem para a ogrice. De que nosso sonho é deixarmos de ser homens sensíveis e irmos nos transformando, paulatinamente, no Homer Simpson. Não é por aí. Alguns dos nossos anseios têm a ver com o Homer: outros tem a ver com a Marge --ou com a Lisa? Por exemplo: andar de patins. Pronto, falei. Eu sempre quis andar de patins, mas nunca tive coragem de assumir esse desejo. Vejo as pessoas deslizando pelas ciclofaixas como se tivessem asas nos pés, posso sentir o vento batendo em meu rosto, soprando a brasa da inveja e acendendo um pensamento: nossa, se eu fosse gay ou sueco, eu comprava um patins hoje mesmo. Acontece que não sou. Sou apenas um rapaz latino americano, um pobre diabo espremido entre o feminismo e o machismo, o hífen solitário no meio do Fla-Flu, com medo de ir de moletom e chinelo à padaria e pôr em risco o meu casamento, com medo de saracotear sobre rodinhas e pôr em dúvida a minha masculinidade.
Fôssemos uns machistões, não haveria problema. Teríamos casado com mulheres frágeis e tolas, que só nos diriam "amém, meu bem", e nossa vida conjugal seria um eterno domingo de Rider e latão: "Mais salaminho, pitucão?", "Sim, pituquim". Mas não, nos apaixonamos pelas bisnetas da Simone de Beauvoir: aí, queridão, conseguir emplacar um Chapecoense x Criciúma como programa pra noite de quarta fica difícil.
Fôssemos uns seres evoluídos, superiores às infantilidades latinas e libertos das amarras do gênero, não ligaríamos para as opiniões dos nossos pares: compraríamos os patins (reais e simbólicos) e sairíamos por aí, todos pimpões. Mas não, nós queremos ser vistos como mui machos, centroavantes, pegadores: aí, realmente, patins fica difícil.
Difícil, mas não impossível. A união é o primeiro passo. A divulgação dos nossos anseios, iniciada aqui, é o segundo. O terceiro é elegermos um representante. Ou, quem sabe, conquistar o apoio de um já eleito? Será que o Jean Wyllys não se interessaria em defender a causa? Em ouvir nossas reivindicações e incorporar HS, as iniciais de "homem sensível", à sigla da diversidade sexual: LGBTHS? Prometemos ajudar na luta por um mundo livre, onde cada um ame quem quiser, escolha o gênero em que se sentir mais a vontade e possa até, um dia --por que não?--, sair por aí de pochete.

    Sobe número de alunos que mudam para escola pública

    Neste ano, 190 mil foram da rede privada para estadual em SP, alta de 25%

    Problemas financeiros e inclusão no ProUni são explicações citadas por estudantes que fizeram a mudança
    THAIS BILENKYDE SÃO PAULOGiovanna Ricci, 18, estudou a vida toda em colégio particular. No ano passado, sua mãe perdeu o emprego. A mensalidade de R$ 680 mais os gastos com reforço escolar, uniforme e livros didáticos começaram a pesar no orçamento da família.
    A estudante sugeriu mudar para uma escola pública, mas a mãe resistia à ideia. Giovanna, então, esperou fazer 18 anos e se matriculou por conta própria na escola estadual Romeu de Moraes, na região da Lapa (zona oeste de SP).
    O número de alunos que, como ela, deixam a rede privada e vão para a estadual cresceu 25% desde 2011, segundo a Secretaria da Educação de São Paulo. Neste ano, 190 mil estudantes fizeram esse movimento, dos quais 118 mil na capital e Grande São Paulo. Em 2011, eram 151 mil.
    Além de razões econômicas, há quem mude para a rede estadual para entrar em programas como o ProUni, que oferece bolsas em universidades privadas para alunos de baixa renda. Para ser selecionado, é preciso ou ter estudado em escola pública ou em privada com bolsa integral.
    É o motivo apontado por Victtoria Bernardo, 17. "A maioria [migra] por causa da cota", diz. Quando mudou para a escola estadual, ela achou o ensino mais fraco. Pretende fazer um curso para complementar os estudos, mas se diz satisfeita.
    Estudantes que conversaram com a reportagem elogiaram o empenho dos professores na rede estadual, embora critiquem a frequência com que faltam às aulas.
    A infraestrutura deficitária, às vezes, prejudica atividades letivas. Na escola Romeu de Moraes, alunas gastam tempo de aula para varrer a sala quando faltam faxineiras.
    A unidade diz que orienta os estudantes a manterem o local limpo, mas não os obriga a fazer faxina.
    Priscila Halcsik, diretora, relata que alguns alunos chegam da rede privada "como se mandassem" na escola. "Coisa de adolescente", diz. "Depois vão se adaptando."
    Victor Hugo Marques, 18, disse que sofreu gozação dos colegas da escola privada quando contou que mudaria para uma pública. "Disseram que eu era moiado' [gíria para dizer que algo é ruim]."
    Seu desempenho melhorou, diz, e o interesse pelos estudos cresceu. "Os laboratórios eram bem mais modernos [na particular], mas nunca pusemos os pés lá dentro."
    No Ideb, índice federal de qualidade da educação, a rede privada de São Paulo teve nota 5,6 para o último ano do ensino médio em 2013 (escala de 0 a 10). A média da estadual é de 3,7. Nem uma rede nem outra cumpriu a meta.

     Na periferia, mãe gasta 20% do salário em escola privada

    Pais dizem escolher ensino particular para proteger filhos da violência
    Alunos têm aulas de canto gospel e religião; instituições proíbem palavrões e obrigam a usar uniforme
    THAIS BILENKYDE SÃO PAULOAo mesmo tempo em que aumenta a migração de escolas privadas para estaduais, na periferia de São Paulo colégios particulares são vistos como uma espécie de "amuleto" por algumas famílias que moram em áreas de risco.
    Na região do Capão Redondo (zona sul de São Paulo), uma das mais violentas da cidade, escolas públicas e privadas separam dois grupos, às vezes, até na mesma rua: o de famílias vistas como "organizadas" e o de outras com menos condições.
    Pais com renda mensal inferior a R$ 1.000 optam por desembolsar um quinto do salário numa escola particular para afastar o filho da violência, tráfico de drogas e indisciplina que temem encontrar nas escolas públicas.
    Em troca, encontram instituições, em geral, religiosas, nas quais se proíbe palavrões e se exige o uso de uniformes.
    Nesses locais, "todos os alunos têm pai e mãe, roupa lavada, comida na mesa e TV a cabo", definiu um professor que não quis ser identificado. "Mais difícil é trabalhar com aluno cujo pai está preso, a mãe trabalha fora e quem cuida é o vizinho."
    A escola adventista Casi fica numa travessa da estrada de Itapecerica, na zona sul, a metros de distância de uma favela. Os alunos têm aula de ética e educação religiosa, canto gospel e inglês.
    Mesmo sendo católica, a manicure Sílvia Pereira prefere manter a filha no Casi a colocá-la numa pública. "Acho que não cuidam direito", diz. Para isso, ela desembolsa todo mês R$ 220 de seu salário de R$ 1.000.
    "Faço esse sacrifício, porque tenho medo da violência. Meu vizinho diz que, na escola pública, ninguém respeita ninguém", conta.
    A vendedora Tatiana dos Santos paga R$ 400 para a filha estudar no colégio católico São Vicente de Paulo, no Capão Redondo. A escola pública mais próxima à sua casa "tem muita briga, entra e sai quem quer, o ensino é péssimo e todo mundo ouve funk", observa. "Você fica com medo da companhia, as crianças ficam ao deus-dará."
    Na particular, por outro lado, a filha "nunca teve problemas com brigas. Os pais são presentes. As famílias são mais estruturadas", avalia.
    A rede privada está em expansão, a despeito do aumento de alunos que deixam colégios particulares para estudar em públicos.
    Desde 2011, as matrículas em colégios particulares em São Paulo aumentaram 13,7%, segundo a Secretaria Estadual da Educação.
    A pasta não informou quantos alunos deixaram a rede do Estado para se matricular em escolas privadas. No período, a rede estadual de São Paulo perdeu 200 mil matrículas.

      precisam cobrar colégios, diz especialista

      DE SÃO PAULOO aluno que muda da escola privada para a pública não necessariamente terá uma defasagem de conteúdo, afirmam especialistas em educação. Mas eles ressaltam que é importante continuar acompanhando de perto o dia a dia do colégio.
      "Há escolas de boa e de má qualidade tanto no setor público como no privado. A diferença é que, como o setor público responde por 83% do total das matrículas no país, é maior a probabilidade de ter escolas de má qualidade", afirma a ex-secretária paulista da Educação Maria Helena Guimarães de Castro.
      Diretora do Seade (Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados), ela observa que não é raro um professor acumular trabalho em escolas públicas e em privadas, mas nestas o controle da presença é mais efetivo, diminuindo a insatisfação dos pais.
      Para mitigar essa diferença, é fundamental que a família cobre qualidade da unidade pública da mesma forma que cobraria de uma particular, diz Neide Noffs, professora de psicopedagogia na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
      "O problema não é ir para a escola pública, é o pai abandonar o acompanhamento porque não está pagando", diz. "Ao mudar a escola do filho, o pai tem que mudar também a sua mentalidade." Cabe à família criar ambientes de estudo em casa e cobrar esforço do filho, afirma Noffs.
      Estudiosos da área de educação avaliam que a migração de alunos do colégio privado para a rede estadual é motivada especialmente por dificuldades financeiras.
      Para Valéria Souza, assessora de gabinete da Secretaria Estadual da Educação, além da motivação econômica, a diversidade é um atrativo da escola pública.
      Ela cita o convívio com cadeirantes e discussões abertas sobre homossexualidade como exemplos da inclusão social que a rede fomenta.
      Souza nota que as escolas de tempo integral atraem pela interação mais próxima do aluno com o professor.
      Rafael Amador, 17, deixou o Objetivo para estudar na estadual Alexandre Von Humboldt, onde se sente mais "em casa". "No Objetivo, as pessoas tinham muito dinheiro e iam para a escola porque eram obrigadas. Me olhavam com julgamento", diz.
      Folha de S.Paulo, 30/11/2014

        MARCELO LEITE Lava Jato lava mais limpo

        O investimento bilionário no pré-sal pode acabar morrendo na praia, ou a 3.000 m no fundo do mar
        O que têm em comum a Operação Lava Jato, a reunião da Opep de quinta-feira (27) e o acordo entre os Estados Unidos e a China sobre emissões de gases do efeito estufa? Todos contribuem para empurrar o Brasil a uma trajetória de desenvolvimento mais limpo do que a delineada com o entusiasmo em torno do pré-sal.
        É de supor que a investigação da Polícia Federal sobre as falcatruas na Petrobras esteja conturbando ainda mais sua administração. A empresa já vinha sobrecarregada pela contenção artificial dos preços da gasolina e pela queda contínua na rentabilidade e no preço de suas ações.
        Isso para não falar do excesso de atribuições na exploração do pré-sal, como ter de operar todos os blocos licitados. O investimento necessário já esteve calculado em US$ 240 bilhões. Não é bolinho, menos ainda para uma empresa sob estresse financeiro e investigada em mais de um país por corrupção graúda.
        Parece improvável, diante disso, que a Petrobras mantenha o ritmo projetado de exploração do pré-sal.
        Pior fica a coisa com o preço do petróleo em baixa. Assim ele deve continuar, ao menos no curto prazo, com a decisão dos países produtores de não reduzir a produção.
        O valor chegou perto de 70 dólares por barril. A extração do pré-sal, para compensar, precisa que ele permaneça acima dos cem dólares.
        Há males que vêm para bem, contudo, como reza o clichê.
        O pré-sal, no fim das contas, lançou o país num frenesi de desenvolvimentismo carbonizante que fez Lula enterrar seus planos grandiosos para biocombustíveis (etanol e biodiesel) mais rápido do que sepultou o Fome Zero. Em lugar de fomentar energias renováveis --eólica, solar, biomassa--, o Planalto promoveu a miragem de enriquecer o país com o ouro negro (e não desperdiçou a chance de meter a mão nele com fins eleitorais --e outros).
        Esse percurso é a contramão da rota que outros países, mais atentos para o imperativo de combater a mudança do clima, tentam traçar para a economia mundial. Aí se encaixa o acordo para redução de gases do efeito estufa fechado no último dia 12 entre Barack Obama e Xi Jinping.
        Os Estados Unidos se comprometem a cortar, até 2025, de 26% a 28% do nível de poluição que lançavam em 2005 na atmosfera da Terra. A China assumiu uma meta mais modesta: impedir que suas emissões continuem crescendo a partir de 2030.
        Nos dois casos, isso significa abrir mão menos do petróleo que do carvão e substituí-lo por gás natural na geração de energia.
        São todos combustíveis fósseis, verdade, mas o gás natural contribui menos para o aquecimento global que o carvão.
        O objetivo de impedir que a temperatura global aumente mais que 2°C neste século dificilmente será alcançado sem redução também do consumo de petróleo. A Agência Internacional de Energia prediz que a demanda pelo produto deve começar a cair em 2040, e com ela desabarão também os preços, sobretudo diante da competição crescente oferecida pelas fontes renováveis.
        Trocando em miúdos: não há razões apenas ambientais, mas também econômicas, para rever os planos megalomaníacos para o pré-sal. O investimento bilionário, afinal, pode acabar morrendo na praia, ou melhor, a 3.000 m no fundo do mar.
        Folha de S.Paulo, 30/11/2014

        Repressão fomenta protestos, diz historiador


        Para Robert Self, Obama não quis desafiar apoio público à polícia no caso de Ferguson

        RAUL JUSTE LORESDE WASHINGTON, Folha de S.Paulo, 30/11/2014
        A repressão policial já era dura e, em parte, fomentava os protestos violentos da comunidade negra desde os anos das manifestações pacifistas de Martin Luther King (1929-1968), opina o historiador Robert Self, professor da Universidade Brown e autor de "American Babylon", em que descreve as tensões raciais de Oakland (Califórnia).
        Segundo Self, mesmo diante de saques e violência surgidos após a decisão que inocentou o policial branco que matou o jovem negro Michael Brown, em Ferguson (Missouri), "ninguém se perguntou por que há setores tão grandes da população tão alienados pelo Estado a ponto de achar que a violência é a única forma de serem ouvidos".
        Self chama de "decepcionantes" as declarações do presidente dos EUA, Barack Obama, sobre Ferguson. "Há um majoritário apoio público à polícia que ele não quis desafiar", afirma.
        Leia trechos da entrevista.
        Muita gente fica cobrando o movimento negro: "Por que vocês não protestam como o Martin Luther King, de forma pacífica?". A mídia já esqueceu como ele era visto pelas forças de segurança da época.
        Ele não era tratado de forma pacífica pela polícia. Foi preso diversas vezes.
        Temos hoje uma visão que compromete o Martin Luther King real. Ele foi um personagem bastante perturbador. Pergunte como a polícia, o FBI e os demais o viam. E o tipo de repressão que suas manifestações pacíficas encontravam.
        Há grandes culpados pela rebelião e pela destruição em Ferguson --como o fracasso da guerra às drogas, que colocou na cadeia milhões de jovens negros, nos deixando com a maior taxa de encarceramento do planeta.
        Preferimos colocar na cadeia as pessoas que não conseguimos recuperar fora dela. Isso só piora com a extrema militarização da nossa polícia, o que se radicalizou depois do 11 de Setembro.
        Nosso sistema político não consegue enfrentar ou está totalmente desatento ao empobrecimento e ao desemprego da população negra urbana nos EUA.
        Nosso sistema educativo é financiado a partir da divisão racial de nossas cidades [a educação pública é financiada pelo equivalente ao IPTU, o imposto de imóveis local; bairros de maioria branca, mais ricos, têm escolas públicas muito mais ricas do que as que se localizam nos chamados guetos negros].
        Nossa classe média transformou seus imóveis em sua poupança.
        Com a crise de 2008 e a queda dos imóveis, a comunidade negra se empobreceu mais que as demais.
        Quando Obama fala de raça no contexto de gente comum, quando Trayvon Martin foi morto por um vizinho, ele foi eloquente e emocionante.
        Mas, quando confrontado com a ação de policiais, ele é bem mais cauteloso.
        A relação entre o governo nacional e as polícias nacionais é delicada e complexa. Talvez exigir responsabilidades da polícia não seja interesse de seu partido.
        Os comentários do presidente sobre o que aconteceu em Ferguson foram bem decepcionantes. Ele apenas fez uma observação sutil sobre a falta de confiança entre afro-americanos e a polícia.
        Há pouco que o presidente possa fazer nesse assunto, mas o Departamento de Justiça pode abrir um processo por violação dos direitos civis.
        A pergunta que devemos fazer é: por que temos tantos cidadãos que acham que só destruindo o que há à sua volta poderão ser ouvidos?
        Houve uma atitude de inevitabilidade após Ferguson, como se a única resposta fosse uma grande rebelião.
        Rebeliões têm acontecido ao longo da história americana. Elas são de dois tipos.
        O primeiro é a dos despossuídos contra a autoridade ou a elite. Há uma longa tradição, desde o século 18.
        O segundo tipo é a de brancos das mais diferentes classes sociais matando negros ou destruindo propriedade de negros ou de outras raças não brancas, como a perseguição aos chineses em 1880.
        A violência sempre reforçou o sistema racial dos EUA.

          Nota de matemática recua na rede pública

          Dados da Prova Brasil, exame do governo que mede o ensino do país, apontam piora dos estudantes do 9º ano nessa área

          No teste, feito no ano passado, desempenho em português teve melhora, mas abaixo do considerado adequado
          DE SÃO PAULO,Folha de S.Paulo, 30/11/2014

          Estudantes do último ano do ensino fundamental das escolas públicas tiveram piora em matemática na Prova Brasil, exame do governo federal que mede a qualidade do ensino oferecido no país.
          Já o desempenho em português teve melhora. A média de matemática caiu 0,3%, enquanto a de português subiu 0,4% no ano passado, na comparação com a última prova, realizada em 2011.
          Nas duas áreas, porém, o desempenho dos alunos ficou abaixo do que seria considerado adequado. Na média, os alunos do 9º ano não atingiram nível suficiente, por exemplo, para ler uma tabela e comparar medidas de grandeza ou distinguir, em um texto, um fato de opinião.
          A nota dos alunos do 5º ano cresceu nas duas disciplinas, mas também ficou abaixo do nível adequado.
          As médias foram divulgadas neste sábado (29) pelo jornal "O Estado de S. Paulo".
          A Prova Brasil serve de base para o cálculo do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), que o governo divulgou, em setembro, sem detalhar as notas --diferentemente do que fazia nas apresentações de resultados desde que a prova foi criada, em 2005.
          Os dados divulgados mostraram que o país não atingiu a meta do Ideb para 2013, mas que o indicador cresceu.
          A falta de transparência, às vésperas da eleição, gerou críticas de especialistas. Educadores dizem que a divulgação das notas é importante para analisar se a educação melhorou e identificar onde houve avanços e retrocessos.
          Sem as notas não seria possível saber, por exemplo, a queda na aprendizagem de matemática pelos alunos que vão entrar no ensino médio.
          Especialistas consideram ainda que, dada a variação pequena nas médias das provas de matemática e português, os indicadores sugerem uma estagnação no desempenho e evidenciam dificuldades da rede pública conforme se avança aos anos finais.
          Sinal disso foi que o Ideb dos mais novos (1º ao 5º ano) foi o único a superar a meta em 2013. Já o do ensino médio, além de não ter atingido a meta, caiu em 16 Estados.
          Boletins de resultados da prova estão sendo enviadas às escolas, mas o governo não informou quando vai divulgar as médias de todo o país.

          29 de novembro de 2014

          Even Among Harvard Graduates, Women Fall Short of Their Work Expectations

          Continue reading the main storyShare This Page
          Women are not equally represented at the top of corporate America because of the basic facts of motherhood: Even the most ambitious women scale back at work to spend more time on child care. At least, that is the conventional wisdom.
          But it is not necessarily true for many women, according to a new study of Harvard Business School alumni. Instead, it found, women in business overwhelmingly want high-achieving careers even after they start families. The problem is mismatched expectations between what they hope to achieve in their careers and family lives and what actually happens, both at work and at home.
          Men generally expect that their careers will take precedence over their spouses’ careers and that their spouses will handle more of the child care, the study found — and for the most part, men’s expectations are exceeded. Women, meanwhile, expect that their careers will be as important as their spouses’ and that they will share child care equally — but, in general, neither happens. This pattern appears to be nearly as strong among Harvard graduates still in their 20s as it is for earlier generations.
          Susan Tynan, founder of Framebridge, said her career and home life had matched her expectations. She and her husband “actively manage” a balance of jobs and child care, she said. CreditDrew Angerer for The New York Times
          So even though career-oriented women don’t see their roles as different from men’s, other factors — like public policy, workplace norms and men’s expectations — are stuck in a previous era, when the lives of women and men looked very different.
          “Most people think the reason for women’s stalled advancement is they prioritize family over work and ratchet back hours,” said Robin Ely, a professor and senior associate dean for culture and community at Harvard Business School, who worked on the study. “But when we looked at those things statistically, nothing explained the gender gap in membership in top management teams.”
          The findings come from the first installment of data in a study by Harvard Business School that will track its alumni over time. They are a rarefied group, and their experiencesare significant because many of them inhabit the top tiers of corporate America.
          Nearly 7,000 alumni answered survey questions about career and life goals, and researchers weighted their answers to reflect their representation in the overall population. Male and female graduates had indistinguishable goals; they said they wanted meaningful, satisfying work and opportunities for career growth, as well as fulfilling personal lives.
          Yet among those working full time, men were significantly more likely than women to have direct profit-and-loss and personnel management responsibility. Fifty-seven percent of men were in senior management positions, compared with 41 percent of women, and fewer women than men said they were satisfied with their careers.
          The data show that their diverging paths are explained in part by discordant expectations in marriages. (The researchers didn’t have data on sexual orientation and assumed opposite-sex partnerships.)
          About 60 percent of male graduates who were 32 to 67 years old expected that their careers would take priority over their wives’, and nearly three-quarters of the men said that turned out to be true. About 80 percent expected their spouses to do most of the child care, and that happened for 86 percent of them.
          Among women in that age group, however, only 17 to 25 percent expected their husbands’ careers to take precedence, but they did so 40 percent of the time. Half of the women expected to handle a majority of child care, but nearly three-quarters said they ended up doing so.
          Christina LaMontagne, an executive at NerdWallet, says generally of men’s and women’s career expectations, “There’s a bit of a gulf there that isn’t reconciling.” CreditJason Henry for The New York Times
          Graduates ages 26 to 31 appeared to be on track to end up in similar disagreement, the study said. Only one-quarter of the women said they expected their partners’ careers to be more important than theirs, yet half the men said their careers would be more important. Forty-two percent of women expected to handle a majority of the child care, yet two-thirds of men expected that their wives would.
          The imbalance between expectations and reality — even among top-level workers — is consistent with other research.The highest-earning female executives with small children spend 25 hours on child care a week, on average, while male executives spend 10, according to a study by the economists Stefania Albanesi, now with the Federal Reserve Bank of New York, and Claudia Olivetti of Boston University.
          A vast majority of the Harvard businesswomen said they were not voluntarily leaning out of their careers to care for children, the criticism levied by Sheryl Sandberg, the Facebook executive who is a fellow alumna and author of “Lean In.”
          Only 11 percent of the women left the work force to care for children. When the study controlled for family-friendly career moves, like declining a promotion, they found that none explained women’s underrepresentation in senior management. “In fact, many senior managers had made such moves. “A lot of people will say companies are going to favor people who work harder,” Ms. Ely said. “But people targeted as high potential are given more slack and allowed more flexibility because companies want to keep them.”
          The Harvard study found that among those women who left the work force to care for children, few did so by choice. Most said they were pushed out by employers whostigmatized mothers. Jobs for people with business degrees are some of the most inflexible, according to a study of University of Chicago Booth School of Business graduates by the economists Marianne Bertrand of the University of Chicago, and Claudia Goldin and Lawrence Katz, both of Harvard.
          The findings of the Harvard study rang true to Christina LaMontagne, 33, an executive at NerdWallet, a personal finance start-up in San Francisco, who graduated five years ago. “That’s what I perceived from my male colleagues at H.B.S.,” she said. “Men still expect to have the dominant career, women increasingly expect to have a dominant career and there’s a bit of a gulf there that isn’t reconciling.”
          Susan Tynan, 38, who graduated 11 years ago, said she was disappointed by the results of the study because her career and home life had matched her expectations. She is a mother of two and the founder and chief executive of Framebridge, an online framing company based in Lanham, Md.
          She says it helps that she and her husband, who works inprivate equity, “are on the same page.” She said that she was upfront about her career goals, and that she and her husband “actively manage” the balancing of their jobs and child care. “I met my spouse at Harvard Business School, so he knew what he was getting into,” she said.
          Not all business-school marriages are as equitable. The Booth study found that female graduates who had children and high-earning husbands worked fewer hours and were less likely to work at all than those with lower-earning spouses.
          The economists said that was not only because their husbands made enough money to support the family, but also because families required parental time at home. And when someone needs to cut back at work, it tends to be the woman.